Corretores e empresas imobiliárias inadimplentes terão débitos protestados em cartório

Natal (84) 4008.0002
Whatsapp (84) 98159.1039
Mossoró (84) 3314.5653

Corretores e empresas imobiliárias inadimplentes terão débitos protestados em cartório

O Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Rio Grande do Norte (Creci-RN) firmou recentemente parceria com o Instituto de Estudos de Protesto de Títulos do Brasil (IEPTB). A iniciativa visa inscrever o débito de corretores de imóveis e empresas imobiliárias vencidos até 2016 no cadastrado de protesto nacional.
Todos os débitos inscritos na dívida ativa do Conselho poderão ser protestados bem como executados. Como consequência, o CPF ou CNPJ do débito protestado serão encaminhados aos cadastros restritivos de crédito, como Serasa e SPC. Além disso, ficam comprometidos o acesso a crediário, a renovação do cheque especial e a aquisição de empréstimos e financiamentos.
“Esta medida, sem custos para o Creci-RN, objetiva combater o índice de inadimplência na instituição. Aos que estão enquadrados nesta situação é imprescindível regularizar sua inscrição sob pena de ter seu nome protestado e executado”, explicou o assessor jurídico do Creci, Leonardo Sales.

Formas de regularização
Caso o corretor ou representante legal de imobiliária queira quitar o débito junto ao órgão, deve comparecer o quanto antes a sede do Conselho e aproveitar as condições de pagamento como parcelamento em até dez vezes no cartão de crédito. Também há a possibilidade de parcelamento da dívida no boleto, em até 20 vezes, respeitando a cota mínima que é de 25% o valor da anuidade, de acordo com a resolução do Cofeci 1.056/2007.
“O Creci tem promovido diversas oportunidades para os inadimplentes quitarem seus débitos com a instituição. Tentamos a conciliação em parceria com a Justiça potiguar, além de termos enviado comunicados e solicitado a presença das pessoas física e jurídica enquadradas nesta situação. O mercado imobiliário justo e competitivo se faz com corretores e empresas legais”, argumentou o presidente Waldemir Bezerra.